“ELE NÃO MORREU POR SER HOMOSSEXUAL, TRAVESTI; ELE MORREU PORQUE ELE ERA VAGABUNDO”: A MOTIVAÇÃO NOS ASSASSINATOS DE TRAVESTIS EM BELÉM-PA

Luanna Tomaz Souza, Flávia Haydeé Almeida

Resumo


O presente trabalho tem como objetivo investigar as motivações apresentadas nos inquéritos para assassinatos de travestis, em Belém-PA, no ano de 2018. Utilizou-se o método indutivo através de uma pesquisa documental, bibliográfica e de campo. Foram levantados três inquéritos policiais referentes as quatro mortes ocorridas naquele ano, assim como foram entrevistados membros do corpo policial para elucidar a pergunta de pesquisa. Em um primeiro momento, admite-se o gênero em seu viés performático, um constructo social que serve como uma categoria estruturante da sociedade, capaz de hierarquizar vidas. Em seguida, se apresenta as travestis como as sujeitas que diferem dessa norma de gênero e por essa razão são expostas a incontáveis violações, movidas pela transfobia. Posteriormente, apresenta-se o cenário belenense dos assassinatos de travestis e os dados de campo. Questiona-se as motivações para os homicídios de travestis. Percebe-se como a transfobia foi escamoteada na investigação policial, perpetuando o discurso criminalizador e discriminatório contra as travestis. Propõe-se uma mudança na investigação destes delitos, a partir de uma perspectiva de gênero mais abrangente. 


Palavras-chave


Travestis; Polícia; Transfobia; Assassinatos;

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, Bruno Cesar. “Doidas e putas”: usos das categorias travesti e transexual. Revista Latinoamericana: Sexualidad, Salud y Sociedad. Rio de Janeiro, n. 14. p. 352-379, 2013. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/SexualidadSaludySociedad.

BUTLER, Judith. Bodies that matter: on the discursive limits of sex. New York: Routledge. 1993.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. 8. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

CARRARA, Sérgio; VIANNA, Adriana R. B. “Tá lá o corpo estendido no chão...”: a violência letal contra travestis no Município do Rio de Janeiro. Physis: Revista de Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v. 16, n. 2, p. 233-249, 2016. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/physis/2006.v16n2/233-249/pt

DUMARESQ, Leila. Ensaio (Travesti) sobre a escuta (Cisgênera). Revista Periódicus: estudos interdisciplinares de Gênero e Sexualidade. Salvador, v.1, n. 5, p. 121-131, mai/out .2016. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/revistaperiodicus/article/view/17180.

ESCRITÓRIO REGIONAL PARA A AMÉRICA CENTRAL DO ALTO COMISSARIADO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA OS DIREITOS HUMANOS (OACNUDH). Modelo de protocolo latino-americano para investigação de mortes violentas de mulheres (femicídios/feminicídios). Brasil, 2014. Disponível em: http://www.onumulheres.org.br/wpcontent/uploads/2015/05/protocolo_feminicidio_publicacao.pdf.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade – A vontade de Saber. 13. ed. Rio de Janeiro: Editora Graal, 1999.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 3. Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015

GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4. ed. São Paulo: Guanabara Koogan, 2004. Disponível em: http://www.aberta.senad.gov.br/medias/original/201702/20170214-114707-001.pdf.

HIRSCHFELD, Magnus. The transvestites: the erotic drive to cross-dress. In: STRYKER, Susan (ed.) e WHITTLE, Stephen (ed.). The transgender studies. Nova York: Routledge, 2006. f. 28-39. Disponível em: https://books.google.com.br/books?hl=ptBR&lr=&id=SfqOAQAAQBAJ&oi=fnd&pg=28&dq=Die+Tranvestiten,+em+1910.+Magnus&ots=CJGyTwuVTv&sig=nAlhi2unhCENhJN7TFpOTYDLw&redir_esc=y#v=onepage&q&f=false

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

LEITE JUNIOR, Jorge. "Nossos corpos também mudam": sexo, gênero e a invenção das categorias "travesti" e "transexual" no discurso científico. 2008. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo. 2008. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/bitstream/handle/3992/1/Jorge%20Leite%20Junior.pdf

MISKOLCI, Richard; PELÚCIO, Larissa. Fora do sujeito e fora do lugar: reflexões sobre performatividade a partir de uma etnografia entre travestis. Revista Gênero. Niterói, v. 7, n. 2, 2007. Disponível em: http://www.periodicos.uff.br/revistagenero/article/view/30980.

OLIVEIRA, João Manuel de. O rizoma “género”: cartografia de três genealogias. Ecadernos CES, n. 15. [s. l.]: Centro de Estudos sociais da Universidade de Coimbra. 2012. Disponível em: http:// journals.openedition.org/eces/962.

ONU MULHERES; SECRETARIA DE POLÍTICA PARA MULHERES; SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA. Diretrizes para investigar, processar e julgar com perspectiva de gênero as mortes violentas de mulheres. Brasília-DF: 2016. Disponível em: http://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2016/04/diretrizes_feminicidio.pdf

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS, Corte Interamericana de Direitos Humanos. Opinião consultiva n. 24/2017: identidade de gênero, igualdade e não discriminação e casais do mesmo sexo. [s. l.]: 2017. Disponível em: http://www.corteidh.or.cr/docs/opiniones/seriea_24_esp.pdf

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS. Corte Interamericana de Direitos Humanos. Violência contra Pessoas Lésbicas, Gays, Bissexuais, Trans e Intersexo nas Américas. 2015. Disponível em: http://www.oas.org/pt/cidh/docs/pdf/ViolenciaPessoasLGBTI.pdf

RUBIN, Gayle S. O tráfico de mulheres: notas sobre a “economia política” do sexo. Recife: S.O.S Corpos, 1993.

RUBIN, Gayle. Thinking sex: Notes for a radical theory of the politics of sexuality. In: PARKER, Richard; AGGLETON, Peter. Culture, Society and Sexuality: A reader. Routledge, New York. 2006. f. 100-133.

SANTOS, B. S. (2002). Para uma sociologia das ausências e das emergências. Revista Crítica de Ciências Sociais,63, 237-280

SCOTT, Joan W. El género: una categoría útil para el análisis. In: Lamas Marta Compiladora. El género: la construcción cultural de la diferencia sexual. México: PUEG, 1996. f. 265-302.

SERRA, Victor Siqueira. “Pessoa afeita ao crime”: criminalização de travestis e os discursos de Justiça de São Paulo. São Paulo: IBCRIM, 2019.

VÍDEO registra pessoa sendo espancada por taxistas em Belém. G1 Pará. Belém, 2016. Disponível em: http://g1.globo.com/pa/para/noticia/2016/10/video-registra-pessoa-sendo-espancada-por-taxistas-no-centro-debelem.html

WEEKS, Jeffrey. O Corpo e a Sexualidade. In: LOURO, Guacira Lopes. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/1230/Guacira-Lopes-Louro-O-Corpo-175-Educado-pdf-rev.pdf?sequence=1


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Direito Público

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.
Associada e indexada à